História da Acupuntura e MTC

Uma breve história da Acupuntura por A.White

Uma pesquisa da história chinesa feita em 2004 por A.White e E. Ernst, quando a acupuntura estava a dar seu passos largos novamente pelo ocidente. Devido esse fato, ainda haviam dúvidas e pouca aceitação da técnica por aqui, inclusive uma visão preconceituosa, do ponto de vista das acusações de charlatanismo, quanto a sua aplicação e visão patológica.
White observou a Acupuntura em outros estudos, principalmente sobre as dores de cabeça, o que lhes atribuiu um resultado enorme em comparação aos fármacos.


Um breve histórico da acupuntura

A acupuntura é geralmente mantida como originada na China, sendo mencionada pela primeira vez em documentos que datam de algumas centenas de anos que levaram à Era Comum. As pedras e ossos afiados que datam de cerca de 6000 aC foram interpretados como instrumentos para o tratamento de acupuntura, mas podem simplesmente ter sido utilizados como instrumentos cirúrgicos para extração de abscessos sanguíneos ou lanças. Documentos descobertos na tumba Ma-Wang-Dui na China, que foi selado em 198 aC, não contém nenhuma referência à acupuntura como tal, mas se referem a um sistema de meridianos, embora muito diferente do modelo que foi aceito mais tarde. A especulação envolve as marcas de tatuagens vistas no ‘Ice Man’ (Fig. 1) que morreu em cerca de 3300 aC e cujo corpo foi revelado quando uma geleira alpina derreteu. Essas tatuagens podem indicar que uma forma de tratamento estimulante semelhante à acupuntura desenvolveu-se bastante independentemente da China.

Buch_Iceman_01_web

“Iceman Mummy” tinha 57 tatuagens algumas localizadas em ou próximas de pontos de acupuntura, sugerindo tratamento de doenças gástricas e artrose

O primeiro documento que descreve inequivocamente um sistema organizado de diagnóstico e tratamento que é reconhecido como acupuntura é o Clássico de Medicina Interna do Imperador Amarelo, que data de cerca de 100 aC. A informação é apresentada sob a forma de perguntas do imperador e respostas aprendidas de seu ministro, Chhi-Po. O texto provavelmente foi uma compilação de tradições transmitidas ao longo dos séculos, apresentadas em termos da filosofia Taoista prevalecente, e ainda são citadas em apoio de técnicas terapêuticas particulares. Os conceitos de canais (meridianos ou condutas) em que o Qi (energia vital ou força vital) fluí estão bem estabelecidos por este tempo, embora os locais anatômicos precisos dos pontos de acupuntura se desenvolvessem mais tarde.

A acupuntura continuou a ser desenvolvida e codificada em textos ao longo dos séculos seguintes e gradualmente se tornou uma das terapias padrão utilizadas na China, ao lado de ervas, massagem, dieta e moxabustão (calor). Muitas teorias esotéricas diferentes de diagnóstico e tratamento surgiram, às vezes até contraditórias, possivelmente como escolas concorrentes  que tentaram estabelecer sua exclusividade e influência. As estátuas de bronze do século XV mostram os pontos de acupuntura em uso hoje e foram usadas para fins de ensino e exame (Fig. 2). Durante a Dinastia Ming (1368-1644), foi publicado o Grande Compêndio de Acupuntura e Moxabustão, que é a base da acupuntura moderna. Nela há descrições claras do conjunto completo de 365 pontos que representam aberturas para os canais através dos quais as agulhas podem ser inseridas para modificar o fluxo de energia Qi. Deve-se notar que o conhecimento da saúde e da doença na China se desenvolveu puramente a partir da observação de sujeitos vivos porque a dissecção era proibida e o sujeito da anatomia não existia.

Estatua

Estátua de Bronze onde era feito os treinamentos e exames

O interesse pela acupuntura entre os chineses declinou a partir do século XVII, uma vez que passou a ser considerado supersticioso e irracional. Foi excluído do Instituto Médico Imperial por decreto do Imperador em 1822. O conhecimento e a habilidade foram retidos, no entanto, como um interesse entre os acadêmicos ou no uso diário de curandeiros rurais. Com a crescente aceitação da medicina ocidental pela China no início do século XX, a ignomínia final da acupuntura chegou em 1929 quando foi proibida, juntamente com outras formas de medicina tradicional. Após a instalação do governo comunista em 1949, as formas tradicionais de medicina, incluindo a acupuntura, foram reintegradas, possivelmente para motivos nacionalistas, mas também como os únicos meios práticos de proporcionar níveis básicos de saúde para a população maciça. O presidente Mao é citado como dizendo, em relação à medicina tradicional, “Deixe mil flores florescer”, embora ele mesmo tenha rejeitado o tratamento de acupuntura quando ele estava doente. As vertentes divergentes da teoria e prática de acupuntura foram reunidas em um consenso conhecido como medicina tradicional chinesa (TCM), que também incluiu medicina herbal. Os institutos de pesquisa de acupuntura foram estabelecidos na década de 1950 em toda a China e o tratamento tornou-se disponível em departamentos separados de acupuntura e em hospitais de estilo ocidental. Durante o mesmo período, o Prof. Han, em Pequim, buscou uma explicação mais científica sobre a acupuntura, que realizou uma pesquisa inovadora sobre a liberação de neurotransmissores de acupuntura, particularmente peptídeos opiáceos.

A propagação da acupuntura a outros países ocorreu em vários momentos e por rotas diferentes. No século VI, a Coreia e o Japão assimilaram a acupuntura e as ervas chinesas em seus sistemas médicos. Ambos os países ainda retem essas terapias, principalmente em paralelo com a medicina ocidental. Acupuntura chegou ao Vietnã quando as rotas comerciais se abriram entre os séculos oitavo e décimo. No Ocidente, a França adotou a acupuntura antes que outros países. Os missionários jesuítas trouxeram, em primeiro lugar, relatos de acupuntura no século XVI, e a prática foi amplamente adotada pelos médicos franceses. Louis Berlioz, pai do compositor Hector Berlioz, realizou ensaios clínicos sobre a acupuntura e escreveu um texto em 1816. A acupuntura francesa hoje foi profundamente influenciada por um diplomata, Souliet du Morant, que passou muitos anos na China e publicou uma série de tratados sobre acupuntura a partir de 1939.

estatua1

A primeira descrição médica da acupuntura por um médico europeu foi de Ten Rhijne, em 1680, que trabalhava para a East India Company e testemunhou a prática de acupuntura no Japão. Então, na primeira metade do século XIX, houve uma agitação de interesse tanto na América quanto na Grã-Bretanha, e várias publicações apareceram na literatura científica, incluindo um artigo editorial da Lancet intitulado “Acupunturação”. Em meados do século, a acupuntura havia caído em descrédito e o interesse permaneceu inativo, embora tenha sido ressuscitado brevemente em uma edição do livro de texto de Osler, na qual ele descreve o sucesso dramático no tratamento da dor nas costas com chapéu-pinos. Curiosamente, esse comentário foi excluído das questões subsequentes.

Em 1971, um membro do corpo de imprensa dos EUA recebeu acupuntura durante a recuperação de uma apendicectomia de emergência na China, ele estava visitando o país em preparação para a visita do presidente Nixon. Ele descreveu a experiência no New York Times e, posteriormente, equipes de médicos norte-americanos fizeram visitas de pesquisa na China para avaliar a acupuntura, particularmente seu uso para analgesia cirúrgica. Apesar da excitação inicial nas operações que testemunharam, a acupuntura mostrou-se totalmente não confiável como analgésico para a cirurgia no Ocidente. A acupuntura finalmente atingiu seu nível atual de aceitabilidade nos EUA quando uma conferência de consenso do NIH informou que havia evidências positivas de sua eficácia, pelo menos em uma faixa limitada de condições.

Estatua3

As teorias tradicionais da acupuntura foram desafiadas no Ocidente, mais notavelmente por Mann no Reino Unido e Ulett nos EUA. Conceitos antigos de Qi que fluem em meridianos foram tirados das mentes de muitos praticantes sendo substituído por um modelo neurológico, com base na evidência de que as agulhas de acupuntura estimulam as terminações nervosas e alteram a função cerebral, particularmente os mecanismos inibidores da dor intrínseca. O primeiro estudo de ressonância magnética da acupuntura também pode revelar-se um marco. Outros pesquisadores notaram a marcada semelhança entre os pontos gatilhos de Travell e seus padrões específicos de referência de dor com os locais de pontos de acupuntura tradicionais associados a seus meridianos. Há uma infinidade de mecanismos sugeridos de ação da acupuntura, mas poucos dados válidos sobre os quais, se houver, os mecanismos são relevantes para a prática clínica. A evidência de eficácia clínica também é evasiva para muitas condições, como a dor crônica, mas na última década do século XX as revisões sistemáticas forneceram evidências mais confiáveis ​​do valor da acupuntura no tratamento de náuseas (de várias causas), dor dental, dor nas costas e dor de cabeça.


Hoje conhecemos as inúmeras ações da acupuntura em suas diversas áreas, e seus variados estudos científicos, como este, para comprovar, testar e aprovar ainda mais suas aplicações. Ainda existe uma enorme crescente de Acupuntura usada em combinação com outros tipos de tratamento o que atenua ainda mais a sua eficacia. Com a crescente da multidisciplinaridade, equipe de profissionais de diversas áreas em prol do paciente, a Acupuntura tende a ficar cada vez mais reconhecida, e quem ganha com isso é a população.

Fonte: Oxford Academic

Até a próxima…

O que achou desse artigo?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s